quinta-feira, outubro 26, 2006
POÉTICA

De manhã escureço
De dia tardo
De tarde anoiteço
De noite ardo.


A oeste a morte
Contra quem vivo
Do sul cativo
O oeste é meu norte.


Outros que contem
Passo por passo:
Eu morro ontem


Nasço amanhã
Ando onde há espaço:
- Meu tempo é quando.


Vinícius de Moraes nasceu no dia 19 de Outubro de 1913 no Rio de Janeiro, Brasil. Após a conclusão do curso de Direito, estreou-se com o livro "O Caminho para a Distância" em 1933. Com "Forma e Exegese", dois anos depois do primeiro livro, conquistou o Prémio Felipe de Oliveira. Em 1936 foi nomeado representante do MEC na Censura Cinematográfica, dormindo nas sessões e não censurando nada. Amigo de Manuel Bandeira e Drummond de Andrade, iniciou actividade de jornalista em 1941 no A Manhã e no Suplemento Literário. Em 1943 ingressou na carreira diplomática, vindo a servir nos EUA, na França e no Uruguai. Já na segunda metade da década de 1950, conheceu Antônio Carlos Jobim e João Gilberto, com os quais renovou a música popular brasileira através da Bossa Nova. Em 1959 ganhou a Palma de Ouro do Festival de Cannes e o Oscar de Hollywood com o filme Orfeu Negro, baseado na sua peça Orfeu da Conceição, como o melhor filme estrangeiro do ano. Passou a maior parte da sua vida participando artisticamente em shows, cinema, teatro, afirmando-se como o centro boémio de uma atitude de liberalização dos costumes. Morreu em 1980, na sua cidade natal, aos 67 anos. (in Vinícius de Moraes, Poesia, Agir, 1983)

[post inspirado após leitura no blog Insônia, de Henrique Fialho. Recomendo.]

Saudades. Como Stanislaw Ponte Preta um dia disse,
Vinícius não era um, era muitos:
"se fosse um só, seria Vinicio de Moral".

Marcadores: ,

 
postado por Aleksandra Pereira às 1:00 PM |


1 Comentários:


At sexta-feira, outubro 27, 2006 10:15:00 AM, Anonymous Carlitos 

O poetinha era mesmo o máximo, minha rainha.



LÁGRIMAS LAVADAS© 2006, por Aleksandra Pereira. All rights reserved.