sexta-feira, julho 14, 2006
PROMESSAS DE CARNAVAL
Para quem descesse as arquibancadas e os visse, seriam só um pirata e uma bailarina empolgados com o calor da festa, mas para Evandro, com a vista apertada pelo tapa-olho e Cristina, com sainha emprestada, era mesmo amor.

Mal se olharam, trocaram poucas palavras – sinais suficientes de reconhecimento. Ele amou a pinta que Cristina guarda no canto da boca; já ela, ela o amou por ele ser eles mesmo, e isso bastava.

Fim de festa, as famílias se despedem, os apaixonados protestam a separação. Mas nada os impediria de ficarem juntos, nem mesmo os dois mil quilômetros que os distanciariam. Juraram amor eterno; um último toque, e a promessa de que não se esqueceriam.

A viagem de ônibus na volta para casa entristecia Evandro, perto em pensamento, mas longe fisicamente da amada. Chateado, vestia ainda a roupa de pirata, agora sem tapa-olho, espada, sem brilho, um pirata sem pilhagens cintilantes, nem fortuna acumulada.


Mas foi sua apatia e abandono que atraíram Leila, cigana de aparelho nos dentes e bom coração no peito e que, ao cumprimentar Evandro, refletiu-se nas lantejoulas do garoto.

Hoje a velha fantasia não serve mais, nem mesmo no filho mais novo de Evandro e Leila, já avós. As festas de Carnaval são agora acompanhadas pela TV, tranqüilas e em família. Mas em suas lembranças, Evandro busca, sempre, a imagem daquela pequena bailarina.

Marcadores:

 
postado por Aleksandra Pereira às 3:58 PM |


3 Comentários:


At sábado, março 04, 2006 12:10:00 PM, Anonymous Carlitos 

Ah, meus carnavais, épocas saudosas, que não voltam mais...

At segunda-feira, julho 17, 2006 3:20:00 PM, Blogger Andréa N. 

Eu nunca pulei Carnaval, mas sei como sao essas emocoes de encontros que ficaram no passado- as vezes coisas que nem chegaram a se realizar; ficaram soh no comecinho, na troca de olhares e nunca vingaram. Historias...

At quarta-feira, julho 19, 2006 5:32:00 PM, Anonymous Ivan 

Eu nunca gostei de carnaval. E este meu pouco apreço é anterior à um fato negativamente marcante que me aconteceu justamente nessa época. Quero também lembrar que o que era de mim, agora estendeu-se para o Nós! E estou lhe convidando para essa tal novidade. Não entendeu? Informações mais detalhadas no meu blog!



LÁGRIMAS LAVADAS© 2006, por Aleksandra Pereira. All rights reserved.