quinta-feira, junho 22, 2006
Saudades de set...
Ando inquieta...
A literatura me inspira, mas falta cinema na veia...

Um grande amigo, daqueles que ralam, está hoje merecidamente coordenando os programas brasileiros no Festival Internacional de Curtas de SP. Produzi três curtas para ele, e morro de saudades de nossas épocas de total falta de grana, mas de criatividade à mil.

Como diretora de produção do "Último dia", tive que correr atrás de muitas autorizações com a polícia, para podermos filmar nas ruas com tranqüilidade. Algumas cenas que seriam rodadas aconteceriam perto de meu antigo apartamento, na Vila Mariana, então entreguei a documentação do projeto para o Posto da Polícia da Sena Madureira, que me receberam muito educadamente. Autorizações entregues, agora correria para encontrar objetos de cena. O Sr. diretor William, sempre ele, me solicita um item bastante fácil de se encontrar por aí:

uma porta.

A porta que seria usada nas cenas do esconderijo da personagem da Laís.
Pois bem, lá vou eu atrás de uma porta que atendesse as solicitações. E não encontrava nada. Só que, perto de onde eu morava, na Sena Madureira mesmo, existia uma casa onde outrora funcionava uma escola de inglês, que estava vazia mas cheias de trecos na entrada. Passei na frente por acaso, e fiquei de voltar mais tarde. Taí uma coisa que não deveria ter feito: voltar lá.
Pois é. Mas eu fiz. Deixei as coisas que trazia no caminho em casa, e voltei lá. Aqui sublinho: deixei TUDO em casa, inclusive documentos (crianças, nunca façam uma coisa dessas!), só levando minha chave. Estava lá eu, com minha camiseta da Mostra Internacional de Cinema, subindo as escadarias da casa que antes parecia tão inocente, agora me desperta receios. Olho para os lados, e só vejo pedaços de madeira, papelão e caixas para todos os lados. E nada de porta. Resolvo entrar mais na casa para observar seu interior, quando de repente começo a ouvir barulhos. E então pessoas, uns três ou quatro homens, surgem do nada (do nada não, de debaixo daquela montoeira de papelão e madeira!), e me perguntam o que eu estou fazendo invadindo e mexendo na casa deles.

Gelei.
Começo a recuar, tentando explicar que estava ali a trabalho, que não procurava por ninguém, e pensando "como está longe essa porta de entrada. Seja esperta. Corra enquanto pode". Do lado de fora, escuto carros freando bruscamente, próximo ao local. Meu instinto não sei porque pensou : "é a polícia, ficarei bem". Policiais então entram na casa, nervosos, recolhendo as pessoas que estavam ali escondidas, invadindo aquela casa. Começaram a arrastar TODAS as pessoas, incluindo essa que lhes escreve. Comecei a tentar explicar que não era mendiga (olha o nível da situação!), que estava ali a trabalho, mas a policial que me segurava não queria saber de conversa.

Continuei repetindo minha história, quando, por sorte minha, uns dos policiais presente no local havia me recebido no dia em que deixei as autorizações para as filmagens no posto de trabalho dele. Ele acabou me reconhecendo e confirmando que eu deveria estar ali só a trabalho realmente. Agradeci, corri de volta para casa agradecendo por não ter acontecido nada pior. A porta? Bem, acabei não arranjando porta nenhuma. Por coincidência, ao irmos filmar na casa da Carol, encontramos uma dentro de uma caçamba. Se não fosse por isso, lá estaria eu novamente atrás de uma outra porta. E torcendo para não entrar em outra fria, como aquela de filmar no estacionamento dos mafiosos lá na Treze de Maio.

Mais isso já é outra história...

Marcadores:

 
postado por Aleksandra Pereira às 1:32 AM |


5 Comentários:


At quinta-feira, junho 09, 2005 8:35:00 PM, Anonymous Anônimo 

Lelê,
me liga,

te boto na prods prá ontem mesmo.

beijoca,

Estevão C

At quinta-feira, junho 09, 2005 8:37:00 PM, Anonymous Danielle Barroso 

Gatinha,

saudades de ti,
saudades de fazer cinema contigo.

Me liga

At sexta-feira, junho 23, 2006 8:46:00 AM, Anonymous Alexandre 

Que situação. Aposto que agora você não tem portas em casa!

At sexta-feira, junho 23, 2006 1:50:00 PM, Anonymous Ivan 

Que história, hein?
E que sorte, hein?
Mas, tenho certeza que, ao contar tudo isso hoje, você deve morrer de rir, não é mesmo?

At terça-feira, junho 27, 2006 11:38:00 PM, Blogger Andréa N. 

Menina, que perigo!! E que medo! Nunca mais faça isso. Ou não sem pelo menos levar um amigo, um cachorro, um celular, sei lá.
E que sorte! Teu anjo da guarda tá espertíssimo. Parabéns!



LÁGRIMAS LAVADAS© 2006, por Aleksandra Pereira. All rights reserved.