sexta-feira, abril 20, 2007
“DO FIM ATÉ O COMEÇO”
horácio podia ter muitos defeitos, mas nem sempre fora um rapaz sem ambição, acomodado. Sonhara estudar Biologia, mas as escolhas que precisou fazer na vida o tornaram motorista de ônibus.

Todos os dias o mesmo trajeto, repetidas vezes, sobe gente, desce gente, “ô menino, pode pular a catraca não”, salário miserável no fim do mês, todo dia mais do mesmo. horácio se sentia sozinho, perdido, e já não sonhava mais em estudar: queria era moça boa para casar e ter filhos, muitos deles.

Mas seu trabalho não facilitava o contato com mulheres, as várias que iam e vinham em seu ônibus, algumas por todos os dias. A plaquinha de “Proibido falar com o motorista” lembrava a importância de manter sua atenção no trânsito, e o máximo que podia fazer era responder aos cumprimentos, devolver o troco, desejar bom-dia.

Em seu caminho, horácio quase sempre parava em um grande ponto de ônibus que tinha ao lado uma barraquinha de doces. Nela inara, uma senhora queimada pelo sol e com cara de poucos amigos batalhava o sustento da família. horácio aproveitava o entra e sai de pessoas e trocava dinheiro, jogava algumas palavras fora e comprava chicletes de hortelã – para manter o hálito fresco.

Chegava em casa cansado, e sonhava; algumas vezes tinha pesadelos, onde corria perseguido por um ônibus, e por mais que dobrasse diferentes esquinas, dava sempre na mesma rua. Acordava assustado, encharcado, procurando se convencer de que tinha sorte em garantir o dinheiro para o aluguel e o plano de saúde de dona vânia, sua mãe.

É dia de folga, e horácio resolve dar um passeio pela cidade. Com seu percurso já registrado pelo cérebro nem percebera que, mesmo caminhando, repetia o trajeto de seu ônibus. Já que estava por ali, passaria na banca de inara para um “oi” e alguns chicletes.

Para sua surpresa, inara não estava lá. Em seu lugar na barraquinha de doces, uma moça jovem, nem bonita de todo, muito menos feia, escondendo-se atrás de um catálogo da Avon.

horácio infla o peito, ajeita a postura, e puxa conversa enquanto escolhe algumas balas. Três pacotes de doces e um refrigerante depois, horácio saboreava o nome recém-conhecido: Madalena. Leninha, para a mãe inara e os irmãos celso e edivan, Lena para os amigos. horácio poderia se considerar um? Sim, e assim fez.

Lena enrolava um cacho de cabelo com o dedo quando lhe perguntou o que fazia. horácio hesitou, mas respondeu, e foi se empolgando quando a pequena revelou querer muito aprender a dirigir e que achava muito bonito ser motorista de ônibus, tão útil para tantas pessoas.

Abobalhado, Horácio flutuava no caminho para casa. Dormiu um sono sem sonhos, tranqüilo. Acordou feliz. Não lhe atingiam mais a falta de educação das pessoas, o salário minguado, o caminho diário já tão conhecido. Só lhe importava imaginar que a vida lhe apontava um novo sentido, tendo nos braços de Madalena seu porto seguro, o ponto final. E o começo de tudo.


Marcadores: ,

 
postado por Aleksandra Pereira às 8:25 PM |


9 Comentários:


At terça-feira, abril 24, 2007 1:13:00 PM, Blogger Andréa N. 

Oba!! Tu voltou!! E ja ta mandando bala. Adorei. Boa sorte pro Horacio!

At terça-feira, abril 24, 2007 11:44:00 PM, Anonymous helen 

por aqui tantos 'horácios' esperando por um sentido na vida..

At sexta-feira, abril 27, 2007 2:35:00 PM, Blogger Vivien 

Que bom ler vc de novo.;0)
Vou pra Santos mes que vem, vamos combinar um café, ok?beijos.

At sábado, abril 28, 2007 12:37:00 PM, Blogger Sean Hagen 

*




é pra ficar ou só visitinha de médico?





*

At domingo, abril 29, 2007 12:12:00 AM, Anonymous Alexandre 

Um belo conto com um belo final!
Muito bom ver você de novo!
Beijos.

At sexta-feira, maio 04, 2007 10:13:00 AM, Blogger Nando... 

sabe,um dia comecei a escrever algo que tinha um horácio. Bem igual.

At segunda-feira, maio 07, 2007 6:56:00 AM, Blogger REDEDNS.COM 

Bom Dia, parabéns o seu blog está Ótimo; Até breve... Quando puder visite o meu www.rededns.com/blog

At terça-feira, maio 15, 2007 4:52:00 PM, Anonymous denise 

Oba! Vai ter continuação?
beijo,menina

At terça-feira, maio 15, 2007 8:35:00 PM, Blogger Eu não sei, você sabe? 

Adorei seu blog, acho que já tinha passado por aqui, mas dessa vez vim com calma e me deliciei...

pena que vc anda assim, meio de fora, meio de longe...

um beijos da também santista, mas que está fora d'água,
tita



LÁGRIMAS LAVADAS© 2006, por Aleksandra Pereira. All rights reserved.