segunda-feira, junho 06, 2005
O que fazer quando a inspiração não vem?
Aquela, aquela inspirada diretamente pelas musas e que contamos que nos inserirá no Hall da Fama e do Reconhecimento da História?

E se ela nunca vier, nunca aparecer?
"Você chegou tarde à fila de pedidos de inspiração", lhe dizem Talia e Melpômene.
"Nossa mãe Mnemósine não se lembrou de você".

Você se sente só mais um, dentre tantos, tantos que nem chegaram a tentar. Você continua seguindo em frente nesta fila, a de condenados ao abismo do esquecimento, onde você vê milhares de pagodeiros, dançarinas e atores de um papel só brigando para te puxar para lá e, pisando em seu corpo, tentando galgar o caminho de volta.

O coro trágico anuncia:
"Não percas tempo, ceda a vez à beira do abismo, pule!".

Você, cada vez mais angustiado, pensa em dar um passo para trás.
Impossível. Logo atrás de você já se encontram milhares de pessoas, dentre as quais você distingue algumas que tentaram te pisar durante sua vida. Quiseram o que você queria, mas sem fazer esforço.

Faça um favor a si mesmo: ceda sim seu lugar à boca do abismo.
Deixe que o curso natural da vida encaminhe para lá todos estes que tentam te prejudicar
Mas não venha nunca, a se tornar um deles. Jamais.

Marcadores:

 
postado por Aleksandra Pereira às 1:36 AM |


1 Comentários:


At terça-feira, junho 07, 2005 2:17:00 AM, Anonymous Kahlil Mosen 

Alê,

esse teu texto, sinto que foi uma indireta para alguém.

Não se chateie, flo de formosura. Você é boa. Te amo.

Kahlil



LÁGRIMAS LAVADAS© 2006, por Aleksandra Pereira. All rights reserved.